sábado, 20 de maio de 2017

Cantares


"Ó tu, que habitas nos jardins, os companheiros estão atentos para ouvir a tua voz; faze-me também ouvi-la." Cântico 8

O livro de Cantares foi escrito por Salomão em homenagem à sulamita, mulher amada.
Procurei hoje entender o que nos diz o versículo acima.
Conforme a divisão do capítulo, esta frase é dita pelo esposo para a esposa. Ele menciona que ela fala ou canta se dirigindo aos companheiros ou irmãos que estão com ela no jardim. De acordo com os comentários bíblicos, os irmãos da sulamita a guardavam para que aguardasse pura o momento de casar.
O esposo quer logo que a noiva lhe dirija palavras.
Aplicando o texto à vida na família, podemos lembrar que muitas vezes nos dedicamos ao convívio na vida profissional ou com os vizinhos e até com os amigos virtuais e não conversamos com nossos familiares, que convivem conosco mais proximamente, e até mesmo não nos dedicamos tanto ao esposo ou à esposa. Nosso confidente maior aqui na terra deve ser nosso cônjuge, pelo menos na forma ideal.
O versículo também pode ser visto no contexto da metáfora em que a igreja é a noiva de Jesus. Então, podemos entender que nosso Amigo Celestial está ansioso por ouvir nossa voz, nossa confissão, nossos anseios. 
A oração é uma conversa com Deus. Podemos falar com Ele assim como falamos com nossos amigos e o Senhor quer ouvir nossas palavras a Ele. Ouçamos a voz de Deus através da Palavra e contemos a Ele o que vai em nosso íntimo através da oração.

sábado, 13 de maio de 2017

Desde a infância


"(sabendo) que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus. " II Timóteo 3:15

Este versículo, escrito por Paulo, referindo-se a Timóteo, pregador da igreja cristã primitiva, lembrou-me hoje de minha própria infância.
Todos os dias, minha mãe à noite nos ensinava lições da Bíblia adaptadas à nossa idade. Assim conheci os principais personagens bíblicos, como Moisés, Josué, Davi, Salomão, o próprio Paulo e os demais apóstolos.
O texto menciona a aprendizagem da Palavra desde a infância, deixando implícito que este ensino foi ministrado pela mãe de Timóteo, Eunice, e por sua avó, Lóide, como foi dito no capítulo 1:5, do mesmo livro de II Timóteo.
A educação inicia-se com efeito no lar e o lar onde a Palavra de Deus é ensinada contribui para a formação de cristãos firmes da fé, confiantes nas promessas do Pai Celestial, conhecedores dos conselhos da grande Sabedoria Divina.
Neste Dia das Mães, agradeço a minha mãe, que me ensinou nestes caminhos, e desejo a todos os leitores que tenham um dia agradável junto a suas famílias.

sábado, 22 de abril de 2017

A Paz


"Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz." Tiago 3:18

Na última semana, estive em um encontro com a escritora Anete, daqui da blogosfera. Ela se dedica a partilhar mensagens agradáveis nos seus espaços e principalmente mensagens de paz.
Presenteou-me com um pequeno quadro - o que vemos na imagem acima - retratando esse bem.
Sobre um fio de arame farpado estão alguns pássaros, pousados suavemente e sem terem contato com as farpas. Pairando acima do fio está um outro pássaro.
A paz que Cristo nos dá está além de nosso entendimento. Em meio a situações calamitosas que existem no mundo, nós estamos, quais passarinhos entre as farpas. Às vezes elas estão bem perto de nós e temos de conviver com aflições. Às vezes, Deus nos livra dessas aflições e nos presenteia com situações de libertação. 
De todas as formas temos que agradecer, porque Deus nos mantém em paz e devemos cultivar a paz que vem da vida cristã, compartilhando-a com os irmãos.
A Paz de Cristo esteja com todos nós.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Como orvalho

                                               Monte Sião, em Jerusalém

"Como o orvalho de Hermom, e como o que desce sobre os montes de Sião, porque ali o Senhor ordena as bênçãos e a vida para sempre." Salmo 133:3

Após o conjunto de cerimônias ligadas à Páscoa, no primeiro mês do ano (que para nós corresponde a abril), os hebreus preparavam-se para a festa de Pentecostes, no terceiro mês do ano, cinquenta dias após o domingo da festa das primícias. Esta festa, para eles, relembrava a dispensação da lei no monte Sinai. 
Para nós, cristãos, é associada à descida do Espírito sobre os cristãos reunidos em Jerusalém, num aposento.
O Salmo 133 inicia mencionando quão bom é que os irmãos vivam em união. Neste fim de semana, ouvi uma associação deste Salmo com a união dos primeiros cristãos, logo após a ascensão de Cristo - quarenta dias após a Páscoa. Uma promessa de Jesus, antes de ascender ao Céu,  foi a de que enviaria o Espírito Santo para estar com os discípulos e era o cumprimento dessa promessa que esperavam unidos em oração.
A união dos irmãos, neste Salmo, é comparada ao óleo de unção, que é um símbolo do Espírito na Bíblia. Na realidade, compreendi a comparação ontem, durante a palestra que ouvi - do pastor Max Schwab. Diz o Salmo: "Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos! É como o óleo precioso sobre a cabeça, a qual desce para a barba, a barba de Arão, e desce para a gola de suas vestes". E conclui com o versículo transcrito acima.
Arão foi o primeiro sumo sacerdote. Após a ascensão, Cristo tornou-se nosso sumo sacerdote no céu, nosso intercessor. A unção de Jesus como Sumo Sacerdote no Céu (após a ascensão) foi à época do cumprimento da promessa do Espírito Santo. Daí a associação da união dos irmãos com o óleo sobre a cabeça de Arão, numa aplicação profética do Salmo.
O aposento em que os discípulos se reuniam era em Jerusalém, da qual o monte Sião é um símbolo.  Ali, como orvalho, receberam a manifestação do Espírito Santo, que está conosco para tornar possível nossa vida cristã  no cumprimento da missão de Jesus - levar o evangelho.

 

sábado, 15 de abril de 2017

Páscoa


"No mês primeiro, aos catorze do mês, no crepúsculo da tarde, é a Páscoa do Senhor." Levítico 23:5

Ouvi hoje uma palestra sobre a Páscoa, como tradição religiosa hebraica, que passou à cultura cristã.
A Páscoa, originalmente, é a primeira das sete festas religiosas do antigo povo de Israel.
Era celebrada no primeiro mês do calendário hebraico, que corresponde ao nosso mês de abril, no dia
14, lembrando a saída de Israel do Egito, após quatrocentos anos de escravidão, quando, segundo a Bíblia, Deus mandou o anjo da morte passar nas portas cujos umbrais não fossem pintados com o sangue de um cordeiro sacrificado pela família, já apontando para Cristo, o Libertador do pecado, nosso Salvador.
No caminho para Canaã, Deus instituiu um sistema de festas simbólicas para o povo, sendo a primeira a Páscoa.
Devemos meditar em alguns acontecimentos que ocorreram na Páscoa do ano em que Cristo foi sacrificado. Ele morreu exatamente na hora em que o cordeiro deveria ser sacrificado, houve um terremoto e a cortina do templo partiu-se de alto a baixo. Isso significava que o verdadeiro sacrifício havia-se cumprido.
Há outro fato importante:a próxima festa era imediatamente após a Páscoa, no dia seguinte ao sábado, quando um molho de cereal, que deveria ser retirado antes da colheita, era movido pelo sacerdote no templo, significando que as primícias pertencem ao Senhor. No ano em que Cristo morreu, essa festa aconteceu na manhã do domingo em que Cristo ressuscitou, lembrando que Cristo representa as primícias dos justos que serão ressuscitados no grande dia da volta de Jesus.
A Páscoa representa assim, salvação e  esperança na ressurreição. Deus nos oferece por intermédio de Cristo a Vida Eterna, este o grande significado da Páscoa.

Desejo a todos os leitores que, refletindo no que a Palavra nos diz, tenham uma alegre e abençoada Páscoa.


segunda-feira, 10 de abril de 2017

Novidade

"E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou." II Coríntios 5:15

Nesta semana, os cristãos geralmente lembram essa verdade - Cristo morreu e ressuscitou por nós, o que é afirmado pelo apóstolo Paulo neste versículo. No mesmo capítulo, Paulo recorda que aqueles, como os discípulos, que antes haviam conhecido Jesus como uma figura humana - segundo a carne - já agora não era deste modo que deviam lembrá-lo.
Jesus, após a ressurreição, foi entronizado no céu e todos os seres celestiais o receberam como vencedor. Este Cristo, ressurreto e vencedor é que nos promete a vitória, a vida, o céu. 
É o que comemoramos na Páscoa, a ressurreição e vitória de Cristo. E é o Cristo vivo que lembramos na festa da ressurreição. As coisas antigas já passaram, eis que se fizeram novas (v. 17).
Agradeçamos a Deus porque enviou Jesus para que nos reconciliasse com o Senhor e nos desse uma viva esperança.
É nessa esperança que nos alegramos, é essa esperança que devemos transmitir ao próximo. Como diz o versículo, vivemos para Ele, Jesus, de acordo com a sua Palavra, para que um dia estejamos com Ele juntamente com nossos irmãos.

 

domingo, 26 de março de 2017

Mudanças

"E, levantando-se ele, tomou o menino e sua mãe, de noite,  e foi para o Egito." Mateus 2:14
 
Recentemente me mudei - acima está a nova imagem de amanhecer que tenho da janela voltada para o leste - e a leitura para reflexão de hoje me lembrou que a Bíblia conta sobre muitas mudanças.
Lembro da mudança do povo de Israel - grande e demorada mudança - do Egito para a Canaã prometida, que durou 120 anos. 
Houve também a mudança da arca de Deus para Jerusalém e a mudança de local de adoração para o templo construído por Salomão mais tarde.
Mefibosete ficou feliz em mudar-se para o palácio, depois de seu exílio em Lo-Debar, após a morte de seu pai, da dinastia de Saul, que foi sucedido por Davi.
Samuel saiu da casa de seus pais para servir no templo e Davi deixou de viver no campo para morar no palácio, ainda antes de ser rei.
O versículo lembra da mudança da família de Jesus para o Egito - mudança para outro país - após o aviso, por um anjo, de que o rei desejava matar o menino.
Antes de precisar mudar de país aqui na terra, Jesus mudou-se no universo, do reino celestial para este pequeno planeta e aqui teve uma vida humilde e cheia de perseguições e humilhações - por nós.
Lembremos, sobretudo, da mudança que Jesus propiciou para nós: estamos, os Filhos de Deus, marchando para o Céu, assim como o povo de Israel marchou para Canaã. Jesus já nos presenteou com uma nova morada no céu.