domingo, 13 de agosto de 2017

A instrução do pai


"O filho sábio ouve a instrução do pai (...)" Provérbios 13:1

Estamos hoje na data em que se comemora o Dia dos Pais. A data é importante, não obstante o uso comercial que é feito dessas comemorações, porque é um dia ligado à instituição família.
O pai é lembrado muitas vezes como aquele que provê o sustento para sua família, enquanto a mãe fica com os filhos, mas o versículo acima lembra que o pai deve dar instruções aos filhos. 
A instrução do pai pode ser pela palavra ou pelo modo de conviver com os filhos, pelo exemplo. Lembro de meu pai como um homem trabalhador, que não falava muito, era bem severo quanto à educação dos filhos e zeloso quanto a seus princípios religiosos. Mais tarde gostava de ver os netos e continuava trabalhando em casa, mesmo depois de fechar a oficina de alfaiate. 
Esse exemplo de meu pai, observo hoje, continua vivendo, quando acho natural para mim continuar trabalhando após os sessenta  anos,  gosto de conviver com meus netos, que vivem mais próximos de mim do que meus filhos viviam do avô e aprecio participar de uma comunidade religiosa.  Quanto à educação dos filhos, hoje sou mais flexível que meu pai, mas creio primordiais os conselhos na formação dos jovens. Simplesmente há coisas que eles não veem ainda claramente e sobre as quais precisamos alertá-los. Por exemplo, meu neto e seus amigos se perderam no caminho para um acampamento da igreja ,quando bastava seguir reto numa estrada. Seria mais fácil ter perguntado para o pai o caminho antes de partirem de carro e ligarem o aplicativo.
Todos nós, na realidade, precisamos de instruções. Nosso Pai Celestial quer falar conosco e levar-nos a uma vida feliz. Ouçamos a instrução do Pai através de Sua Palavra.

sábado, 29 de julho de 2017

Anjos em nossa defesa


"E orou Eliseu e disse: Senhor, peço que lhe abras os olhos, para que veja. E o Senhor abriu os olhos do moço, e viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu" II Reis 6:17

 O rei da Síria estava furioso. Toda a vez que traçava planos para destruir o rei de Israel, alguma coisa acontecia que fazia com que o rei escapasse. Reuniu seus capitães e abriu uma investigação: quem estava, entre eles, espionando em favor do inimigo? A investigação resultou num achado espantoso: quem avisava o rei dos planos era um homem chamado Eliseu, profeta do Senhor Deus de Israel.
Toda a raiva do rei dirigia-se agora contra Eliseu. E ele mandou que um exército marchasse contra ele.
Quando, na manhã seguinte, o ajudante de Eliseu saiu para passear em volta de sua casa, assustou-se com o que viu, voltou tremendo e acordou o profeta. Este olhou em volta e viu coisa diferente: havia um exército maior cercando a casa e o defendendo. Pediu então a Deus que acalmasse seu ajudante, abrindo-lhe os olhos. O servo, Geazi, viu, então, as forças do Senhor prontas para defendê-los - e em número maior do que as forças inimigas. 
Eliseu surpreendentemente dirigiu-se aos inimigos  e levou-os à cidade de Samaria, onde estava o rei de Israel, que queriam destruir. - Devo matá-los?, perguntou o rei de Israel. - Não, disse o profeta, dá-lhes um banquete. Os inimigos saborearam o banquete, voltaram para seu chefe e relataram que agora eram amigos do antigo inimigo. Não mais atacaram naquele momento. 
Esse relato está registrado na Bíblia  para nos animar. Sempre que ao redor há alguma força marchando contra nós, no serviço, em casa, nas ruas, podemos imaginar os anjos de Deus, dirigidos pelo Senhor, lutando por nós, e mais fortes e poderosos, de forma que nos dão a vitória.
Ainda que nossos olhos não se abram para ver literalmente o exército de Deus por nós, podemos crer neles e ficar em paz: as forças do Senhor velam por nós. E o poder de Deus é maior.
 

segunda-feira, 24 de julho de 2017

O barro e o Oleiro

"Mas agora, ó Senhor, tu és nosso Pai, nós somos o barro, e tu, o nosso oleiro; e todos nós, obra das tuas mãos." Isaías 64:8
Quando o teólogo pastor Adolfo Soares esteve em visita à minha igreja, mencionou que escrevera um guia para leitura da Bíblia, no qual mostrava três perguntas básicas para leitura da Bíblia: o que Deus me diz?, o que Deus faz por mim?, o que Deus quer que eu faça?
Os capítulos indicados para leitura ontem, dia do falecimento de minha mãe, e hoje, são Isaías 64 e 65, que mostram a oração de Isaías pelo povo de Israel e a resposta de Deus.
Do capítulo 64 é a mensagem do versículo acima. Realmente somos apenas barro e nosso Criador nos moldou e molda hoje e soprou no barro o fôlego da vida. "Ele guardará a tua alma (vida)" - diz o Salmo 121. Ainda, Deus diz que "todos nós murchamos como a folha" (Isaías 64:6)
O capítulo de hoje, que mostra a resposta de Deus a Isaías, traz lindas promessas de esperança, ao falar dos justos na terra renovada, como: "Pois eis que eu crio novos céus e nova terra; e não haverá lembrança de coisas passadas, jamais haverá memória delas." Isaías 65:17 Creio que um dia a terra será renovada e viveremos na Nova Terra eternamente com o Senhor. 
Isso o que Deus disse nas leituras de ontem e hoje.
O que Ele pode fazer por mim: "... os meus servos cantarão por terem o coração alegre..." Isaías 65:14 Ele pode nos restituir a alegria através das promessas.
O que Ele quer que eu faça: Ele quer que pertença ao povo do Senhor e O sirva: "..os meus eleitos herdarão a terra e os meus servos habitarão nela." Isaías 65:9

terça-feira, 18 de julho de 2017

Salvação e louvor

"Nunca mais se ouvirá de violência na tua terra, de desolação ou ruínas, nos teus limites;mas aos teus muros chamarás Salvação, e às tuas portas, Louvor." Isaías 60:18

Estou lendo um capítulo por dia do livro de Isaías, neste mês. Isaías é um profeta não só para o povo de Israel mas traz promessas para todos nós hoje.
A promessa do versículo acima nos lembra que nosso Deus renovará a terra e habitará na Nova Jerusalém com o seu povo, que é de todas as nações.
Na Bíblia, há muitas vezes a profecia de que Jesus voltará e de que os reinos do mundo passarão - como vários passaram, desde a Antiguidade, mas que o Reino que vem - o Reino de Deus, que será estabelecido um dia  - não passará.
Hoje os noticiários falam de violência e de atentados, que deixam desolação e ruínas, então esta promessa diz muito a nós. 
Enquanto vivermos neste velho planeta teremos muitas vezes essas notícias de destruição, porém na Nova Terra que Deus promete haverá paz e só serão proclamados o Louvor a Deus e a Sua Salvação. 
Podemos esperar em Deus e em Suas promessas. O Senhor é fiel e as cumprirá, como têm sido cumpridas as profecias.

sábado, 8 de julho de 2017

Cristãos de longe

"Então, prendendo-o, o levaram e o introduziram na casa do sumo sacerdote. Pedro seguia de longe." Lucas 22:54

O que seria seguir a Jesus de longe? Pedro seguia a Jesus de longe enquanto o Mestre era levado para a morte. Em lugar de estar junto com os outros discípulos, estava junto com os inimigos de Jesus.
Por três vezes disse que não era dos seguidores do Senhor e então o galo cantou, Pedro encontrou os olhos de Jesus e lembrou-se do que Ele profetizara.
Nós, os modernos seguidores, estamos seguindo Jesus de perto? Ou estamos nos misturando a grupos longe dEle e querendo a aceitação desses grupos?
Estar longe significa estar-se afastando do Caminho do Evangelho. 
Cristo nos quer perto dele. Seu caminho é de Paz e Alegria, não obstante haja tribulações, e é também um caminho de obediência.
Pedro mais tarde arrependeu-se e voltou a estar perto de Jesus. Fiquemos nós também junto a Cristo.

 

sábado, 1 de julho de 2017

O trabalho de Deus

"Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os ohos se viu Deus além de ti, que trabalha para aquele que nele espera." Isaías 64:40

O pastor que foi orador no dia de hoje chamou-nos a atenção para alguns milagres revelados na Palavra e perguntou: Foi Moisés que que abriu o Mar Vermelho ou Josué, ou Elias ou Eliseu que abriram passagem pelo Jordão?
Ele nos recordava de episódios bíblicos em que profetas estiveram presentes em acontecimentos milagrosos, como a travessia do Mar Vermelho pelos israelitas quando fugiam dos egípcios ou quando, já chegando na terra prometida, atravessaram o Jordão, já sob a liderança de Moisés e de quando Elias, próximo a ser trasladado, atendendo à ordem divina atravessando o mesmo rio depois de tocá-lo com o manto, feito igualado na volta pelo seu sucessor Eliseu, que o acompanhara na jornada.
Questionando nossa própria vida, podemos achar pequenas travessias do mar ou de um rio caudaloso em nossa vida. Como os anos que atravessamos aqui em casa sem poder visitar duas crianças de nossa família. Quando as portas das visitas se abriram, fomos nós que as abrimos? E quando as enfermidades graves foram vencidas, quem nos sarou?
Há muitas vitórias milagrosas em nosso passado, se soubermos reconhecê-las e, por certo, podemos atribuí-las a nosso Deus. Como o trabalho de Deus atuou em sua vida? Pergunte-se e exerça também sua gratidão!

sábado, 17 de junho de 2017

A mensagem que ouvi hoje

"Então o sinal do Filho do Homem aparecerá no céu. Todos os povos da terra chorarão e verão o Filho do Homem, descendo nas nuvens, com poder e grande glória. A grande trombeta tocará, e ele mandará os seus anjos para os quatro cantos da terra. E os anjos reunirão os escolhidos de Deus de um lado do mundo até o outro." Mateus 24:30 e 31

Ouvi hoje sobre um filme que não conheço - Deixados para trás. Este filme conta sobre a experiência de não ser levado para o céu na segunda vinda do Senhor.
Entretanto, na visão do filme, a volta de Jesus não é visível para todos. Apenas é possível notar que algumas pessoas são levadas, deixando seus pertences no lugar em que estavam, como, por exemplo, num avião, e depois desaparecendo.
Essa ideia tem sua base neste capítulo, quando se diz que dois homens estarão trabalhando, um será levado e o outro deixado ou duas mulheres estarão no moinho, uma será levada e a outra deixada. A ideia que o filme dá é a de que as pessoas que ficarem terão uma segunda oportunidade. 
Entretanto, conforme os versículos 26 e 27, não é exato que Sua vinda não seja visível -será como o relâmpago que risca o céu, no nascente até o poente. E o verso 42 pede que vigiemos porque não sabemos a hora da volta de Jesus. 
O alerta para vigiar liga-se à necessidade de ser levado para o céu nessa ocasião solene, porque depois a terra será desolada e as pessoas deixadas para trás sofrerão, como sofreram os que ficaram fora da arca na época do dilúvio (versículo 37).
Lembremos dessa mensagem que Deus encarece, porque é repetida inúmeras vezes na Bíblia. Jesus quer nos levar para o Céu no Dia de Sua vinda. Estejamos até lá no Caminho do Senhor.